A Importância do Arrependimento

Testifiquei, tanto a judeus como a gregos, que eles precisam converter-se a Deus com arrependimento e fé em nosso Senhor Jesus. – Atos 20:21 Arrependimento necessário em três áreas: A mente (metanoia): é a primeira área necessária. Mudança de mente, as razões, o eu. Sentimento: incomodar-se com os pecados cometidos, sentir a tristeza genuína que nasce no arrependimento (2 Co 7:10). Vontade: alteração nos desejos, sendo que, antes, o pecado era tão desejado, agora deseja-se o que agrada a Deus. ► Leia também: Perseverança Precisamos amar esta santidade. O arrependimento não pode ser feito de qualquer jeito, mas executado com qualidade, alinhada com o Espírito Santo. Este arrependimento verdadeiro produz em nós o fruto do Espírito. O arrependimento excede a sinceridade e o reconhecimento das próprias falhas. Este vem do Pai e nos transforma por inteiro, tornando-nos semelhantes a Cristo, de dentro para fora. Atitude e comportamento transformados: este é o verdadeiro arrependimento. Não basta pedir perdão (apenas um alívio de consciência), todavia é necessário a mudança de comportamento. Não se livra da culpa, mas sim do pecado. Mudança de atitude. O perdão gera conserto. “Temos lançado nossas falhas nas profundezas de um simples copo da água. Não há profundeza e tem fácil acesso.” – Pr João Marcos Quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e os abandona encontra misericórdia. – Provérbios 28:13 Arrependimento sem mudança de vida não traz perdão. O arrependimento vai além do emocionalismo, pode ser um simples remorso. Ainda não há mudança. Remorso não é arrependimento. Cuidado com o amor próprio. Ele nos coloca como vítimas, dignos de compaixão. Direcionamos a culpa que é nossa. O arrependimento nos aproxima do Corpo de Cristo. O remorso nos afasta. Para meditar: quando nós, a Igreja, pecamos, é pior do que o pecado dos incrédulos, pois quando pecamos, pecamos contra a Luz que habita em nós. Os incrédulos não possuem luz alguma. Nossos pecados também são piores do que os pecados dos demônios. Então vocês se lembrarão dos seus caminhos maus e das suas ações ímpias, e terão nojo de si mesmos por causa das suas iniquidades e das suas práticas repugnantes. – Ezequiel 36:31 – Sermão pregado por Pr. João M. Mantello, dia 31/01/21 em Araçatuba/SP

Deixar uma resposta