Ezequiel 37: O Vale de Ossos Secos – Parte 1

Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio de um vale onde a terra estava coberta de ossos. Ele me levou para dar uma volta por todos os lugares do vale, e eu pude ver que havia muitos ossos, muitos mesmo, e estavam completamente secos. (v. 1,2)

O profeta se depara com uma cena de morte. Interessante que o texto nos mostra que Deus fez questão de levar o profeta por todos os lados do vale, deixando-o completamente inteirado acerca da situação de desolação e de desesperança que assolava aquele lugar. O profeta só via ossos, muitos mesmo, completamente secos. Naquele lugar só havia MORTE, CAOS e SEQUIDÃO.

Muitas vezes assim também é na nossa vida, só vemos morte, fim, caos. O vale de ossos secos simbolizava a derrota definitiva e irreversível daquele enorme exército que outrora existiu ali. Talvez nos deparamos com essa mesma cena quando encaramos alguma área das nossas vidas, seja profissional, ministerial, o casamento, a saúde, os filhos.

Talvez você já tenha tido uma carreira de muito sucesso, projetos, progresso na sua profissão, sonhos, objetivos. Mas agora tudo o que você vê é estagnação, ou pior, morte, apenas sombra do que um dia já foi.

Talvez seja o seu casamento, que você sequer sabe dizer como chegou nesse ponto. As pessoas olham e pensam que está tudo bem, mas só você sabe o estado de deterioração em que o seu relacionamento se encontra.

Talvez seja algum outro relacionamento importante pra você: pais, filhos… que se perdeu com o tempo, e você não vê mais como recuperá-lo.

Pode ser um problema de saúde, seu ou de alguém querido, que chegou sem aviso e arrancou toda a esperança que você tinha acerca do futuro.

Talvez seja a sua vida ministerial, outrora frutífera, fértil, ativa, produtiva, cheia de gás e de vida. Talvez você já tenha feito muitas coisas para o Senhor. Talvez você já tenha recebido promessas de que o Senhor faria grandes coisas em você e através de você. Você sonhou em ganhar o mundo, as vidas para o Senhor, em viajar, em dar a sua vida pelo Evangelho, mas hoje você sequer consegue dar uma palavra para a sua própria família. Talvez as situações da vida te levaram para cada vez mais longe da promessa que um dia te fez sonhar, você se frustrou, se decepcionou, se feriu, fracassou. E hoje você nem consegue assumir alguma responsabilidade na Igreja, isolado, enclausurado, morto.

Talvez seja aquela pessoa por quem você tanto ora, e a situação parece apenas piorar, e você olha e enxerga apenas um seco e árido vale de ossos.

Eu não sei qual é a sua situação, mas sei o que todas elas têm em comum: tudo morreu, tudo acabou, e não há nada que você possa fazer a respeito.

E eu quero te dizer que você está certo: acabou e não há nada que você possa fazer. Mas há alguém que pode!

Aquele grande exército que outrora existiu naquele vale, sequer teve um funeral digno, pelo contrário, seus cadáveres permaneceram jogados ali, comidos pelas aves e torrados pelo sol, totalmente esquecidos, abandonados.

E assim como Deus fez com o profeta, eu também te convido a passear por todos os lugares do seu vale de ossos secos, analise, observe atentamente, grave bem cada cena na memória, porque ela pode estar prestes a mudar.

A fé não é a certeza de que Deus fará algo para mudar a sua situação, mas é a certeza de que Ele pode! A fé é a chave que abre a porta do local onde Deus guarda os segredos e os planos preciosos que Ele tem a nosso respeito. É a fé que dá vida a esses sonhos, a essas promessas que o Senhor já nos fez, transportando-os do campo da mera imaginação para algo que pode ser real, palpável, atingível.

Foi assim no Gênesis (1:1-3). A Palavra nos apresenta um cenário de vazio, escuridão e ausência de vida. Mas Deus disse: Haja luz! Todo o cenário desolador e de caos visível não impediu que do invisível surgisse a luz, segundo a ordem do Senhor.

Foi assim também conosco, quando o Espírito Santo realizou em nós a obra da conversão (II Co. 4:6). Mesmo o cenário de dureza e de incredulidade não pôde impedir que a luz de Jesus brilhasse em nosso coração, seguindo o comando da pregação do Evangelho.

A fé tem esse poder, de transportar o que é real, mas invisível, para a esfera do real e visível.

A mulher do fluxo de sangue viveu isso com maestria (Mc. 5:25-34). Ela estava adoentada há 12 anos. Os médicos não podiam ajudá-la e ainda acabaram com os seus bens. A sua situação era de isolamento, solidão e provavelmente desespero, tudo indicava que ela sangraria até a morte. Dia após dia ela perdia vida e caminhava de forma torturante para a morte, era inevitável.

Quando ela ouviu falar de Jesus, sua situação não mudou. Tudo continuava igual, a mesma vida torturante de 12 anos atrás, mas algo mudou dentro dela.

A sua fé mostrou a ela que a sua cura não era somente possível, mas era real! Aquilo que ainda não existia na realidade daquela mulher passou a existir porque ela teve fé, e que fé!

A fé é a porta de acesso ao real, mas invisível. Interessante que eu sempre ouvi que a fé é como um tiro no escuro, mas não é verdade. Porque quem tem fé sabe exatamente o que está enxergando, embora ainda não esteja lá, visível para todos.

Mas é importante entendermos que a FÉ é apenas o primeiro passo para desencadear o agir sobrenatural de Deus na nossa vida, que ocorre como um PROCESSO.

Então, tenha coragem e dê esse primeiro passo, tenha fé! E deixe Deus operar esse processo de cura, de restauração, de ressurreição no seu próprio vale de ossos secos.

Continua…

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.