Os 3 Estágios da Alma Humana

Estamos passando por um processo de cura em nossa alma e, por isso, é extremante necessário entendermos os estágios da alma humana. Muitos estão perdidos por não identificarem esses estágios e acham que está tudo bem. O Espírito Santo tem trabalhado conosco a importância de nos humilharmos perante o Senhor, e uma dessas maneiras é através do Jejum e da oração. Você já tem o seu dia de jejum para o Senhor? Também estamos entendendo a importância dos vínculos específicos (caminhar com irmãos maduros) e sermos discipulados. Isso é a vida em comunhão, o corpo (de Cristo) saudável, a Igreja verdadeira vivendo tudo em comum. E hoje vamos compreender o que são estes pontos fundamentais. Uma vida que se humilha (matar o eu) e que tem vínculos específicos só pode ser gerada pelo Espírito Santo se estivermos cheios Dele. Vamos, então, compreender os 3 estágios da alma do homem. Pois, sem essa compreensão, muitos têm barrado o governo do Senhor e não conseguem usufruir de uma vida dirigida pelo Espírito Santo. Os estágios da alma do homem: 1º estágio: natural. 2º estágio: da lei (escravidão e medo). 3º estágio: da graça. 1º estágio: do homem natural No estágio natural, o homem pode ser ateu (não crê em Deus), agnóstico (diz que é impossível afirmar com certeza se Deus existe ou não) e o deísta (acredita em Deus). Vamos compreender o estágio do homem natural deísta. O deísta é o que acredita em Deus, tenha alguma devoção ou não. Esse pode ser totalmente grosseiro, mas também ter paciência e paz terrena. Pode ser visto como um homem bom. Segue suas características: Está num sono profundo; Sem temor a Deus e amor pelos outros; É criatura e não filho; Não consegue discernir entre o bem e o mal; Não tem a via de entrada para conhecer as coisas espirituais; Está cego perante as coisas eternas e por isso se sente seguro; Vive em paz (paz do mundo, artificial e enganosa). Entendendo o caso do homem natural comum deísta com alguma devoção: Destaca somente a santidade de Deus (misericórdia e bondade) e ignora a justiça, a sabedoria e a verdade; Procura cumprir a lei dos homens; Crê que Jesus veio para salvar as pessoas e seus pecados e não de seus pecados; Crê que Deus dará o céu sem santidade; Fala de se arrepender no futuro, em algum momento antes da morte, crê que tem o controle. Vamos entender também o homem no estágio natural que é letrado, inteligente, cheio de argumentos terrenos e que também tem alguma devoção: Os letrados no estágio natural podem falar de modo impressionante a respeito de suas faculdades mentais; Anuncia fortemente o livre arbítrio; Tem alegria terrena pela sua bondade, sabedoria e posicionamentos; Julga com correção e se mantém longe dos extremos (fanatismo); Cita as escrituras no que o atende. Exemplo: “Porque Salomão diz que o justo cai sete vezes por dia”; Sabe que peca, mas não se perturba em sua condição; Contenta-se com a ideia de que o homem é falho; Se um pensamento sério fixa em sua mente, ele o reprime o mais rápido possível; Está satisfeito em não se esforçar para vencer o pecado. 2º estágio: da lei (escravidão por medo) Este é despertado do sono da ignorância; Consegue discernir o estado em que se encontra; Vê que o Deus amoroso é misericordioso, mas também fogo consumidor; Podem ser servos de Deus, mas ainda não são filhos. Estão próximo do reino de Deus; Tentam agradar a Deus através das obras sob uma lei de autoria própria (escravo do Eu); Vê Deus como justo e punitivo (vingador). É escravo do medo; Enxerga os mandamentos de maneira extremamente abrangente; Entende que nada se esconde dos olhos de Deus; Quando ouve “não mataras” é como um trovão em seu coração; Reconhece o adultério até no olhar; Vê que seus pensamentos são todos maus; Ele vê que é todo (cheio) pecado e se condena. É escravo da condenação; Sofre com a culpa e não vive em paz; Luta contra o pecado, mas não consegue vencer (escravo do pecado); Enxerga não somente os pecados exteriores, mas também os interiores; Anseia por liberdade, poder e amor, mas continua no medo e na escravidão (escravo de satanás); Entende que não tem mais desculpas por pecar contra Deus; Sabe que é corrupto e que bem nenhum habita nele; Não só vê, mas sente que precisa ser punido por Deus; Sente pesar no coração pelas bênçãos não recebidas; Concorda com a lei de Deus na mente, mas vê seu corpo fazendo o contrário (ler Romanos 7:7-25). 3º estágio: da graça Daquele que encontrou a graça o favor aos olhos de Deus. É liberto da servidão do pecado e do corpo da morte pela graça de Deus por meio de Jesus Cristo (por amor se torna do Senhor); Este tem o Espírito Santo reinando no coração. É governado pelo Rei dos Reis; Está morto para o pecado e vivo para Deus; Recebeu e entendeu o Espírito de adoção (aba Pai); É filho de Deus pela fé; Experimenta o amor perdoador de Deus por crer em Jesus; Serve aos outros por entender o amor de Jesus e funcionalidade do corpo de Cristo; Vê a lei de Deus com misericórdia, longanimidade e abundância em bondade; Foi crucificado com Cristo, já não é ele que vive, mas Cristo vive nele; Vive a verdadeira liberdade do Espírito Santo (sem culpa, medo e pecado); Não tem mais medo da morte, pois sabe que é herdeiro do reino de Cristo; Deseja constantemente realizar a vontade de Deus; O Espírito Santo o enche do amor que faz mudar o mundo; Vive na alegria do Espírito Santo, e é grato ao Senhor (ler Romanos 8:1-17). Conclusão O homem natural não teme e nem ama a Deus. O homem sob a lei teme a Deus. O homem sob a graça ama a Deus. O homem natural é aquele que dorme na morte, possui uma falsa paz. O homem sob lei não possui paz alguma. O homem no estado de graça por crer em Jesus, possui a paz verdadeira gerada pelo Espírito Santo. O homem natural não vence o pecado nem luta contra ele. O homem sob a lei luta contra o pecado, mas não consegue vencê-lo. O homem da graça luta contra o pecado e vence, pois é governado pelo Espírito Santo de Deus que o ama. Tanto o homem natural como o da lei pecam voluntariamente. O homem em estado de graça dirigido pelo Espírito Santo não busca pecar e, quando peca, é um ato involuntário. O homem poder possuir um temperamento compassivo ou benevolente. Pode ser afável, cortês, generoso e amigável. Pode exibir algum grau de mansidão, paciência, temperança e muitas outras virtudes morais. Pode desejar remover todos os vícios e alcançar o grau máximo de virtude. Pode abster-se do mal. Pode abster-se de tudo o que é contrário à justiça, à misericórdia ou à verdade. Pode fazer muitas bondades, alimentar os famintos, vestir os despidos, socorrer as viúvas e os órfãos. Pode participar de cultos regulares. Pode praticar a oração em particular e ler livros devocionais. Mas, apesar disso tudo, pode ser um simples homem natural, sem conhecer a si mesmo nem a Deus. Nesse estado, também pode estar alheio ao espírito de temor e amor. Por não se arrepender nem acreditar no evangelho, permanece sem o Espírito Santo e o poder. Exemplo: O Jovem Rico (homem natural ou homem na lei) – ler Marcos 10:17-22. Jesus veio para cumprir a Lei: Não pensem que eu vim abolir a lei de Moisés ou os escritos dos profetas; vim cumpri-los. – Mateus 5:17 É por meio de Jesus, que nos dá o Espírito Santo, que cumpriremos a Lei por amor. Livre da culpa do pecado, livre do poder do pecado e ainda quando estivermos na presença do pecado (terreno) seremos livres, pois temos o espírito humano unido com o Espírito Santo. E, em breve, seremos totalmente livres da presença do pecado por toda a eternidade. – Sermão ministrado por João M. Torres, dia 07/11/21 em Araçatuba/SP.

Deixar uma resposta