Verdade Sobre as Emoções Para Mulheres

Leia gratuitamente três livros por mês através do aplicativo do autor (Android).

Não precisamos viver escravizadas por nossas emoções, sejam elas relativas a experiências do nosso passado, a circunstâncias do nosso presente ou apreensões quanto ao futuro. Deus nos criou para a liberdade e pela graça da redenção podemos ser livres em Cristo.

Disse Jesus:

“e conhecereis a Verdade , e a Verdade vos libertará.” (João 8:32)

Por essa razão, precisamos conhecer a Verdade e o alcance infinito e eterno que ela tem para vivermos nesta liberdade, isto é, nos apoderarmos desta Verdade e da liberdade que ela conquistou.

Apodera-se de algo significa tomar posse, e neste caso, foi o próprio Jesus quem realizou por nós esta conquista e a Ele pertence todo o poder! Ele mesmo disse:

“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (João 8:36)

É necessário também que aprendamos a conhecermos a nós mesmas, e o que a Palavra diz sobre nós e sobre o coração humano.

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Eu, o Senhor, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações.” (Jeremias 17:9,10)

A advertência do profeta Jeremias nos alerta para não confiarmos em nosso coração, pois ele pode nos levar ao engano.

O que significa “coração” na Bíblia?

Nos textos bíblicos, o termo coração não significa apenas o órgão cardíaco do corpo humano, mas principalmente o homem interior.

“Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus.” (1Pedro 3:3,4)

O coração na Bíblia é a sede da vontade (Romanos 10:10), dos nossos pensamentos (Marcos 2:6,7) e das nossas emoções (Lucas 24:32).

Vejamos agora uma advertência de Pedro aos maridos, que causa desconforto em muitas mulheres:

“Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, pois sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações.” (1Pedro 3:7)

Será que Pedro estava se referindo a força física da mulher? Naquela época as mulheres plantavam, colhiam, ordenhavam os animais, preparavam o fogo para cozinhar, costuravam, geravam, pariam e criavam os filhos e ainda cuidavam da habitação, e em condições muito difíceis, que exigiam muito de sua força e vigor. Então, a que fragilidade Pedro se referia?

Acredito que, sem dúvida alguma, ele estava advertindo os maridos a terem discernimento no trato com suas esposas, considerando-as e tratando-as com dignidade, por serem as mulheres mais suscetíveis em suas emoções que os homens. É da natureza feminina ter maior sensibilidade com tudo que a cerca.

Deus a criou dessa maneira propositalmente, para cumprir o seu propósito. Não nos incomodaria se Pedro tivesse dito “tendo consideração com a vossa mulher como parte mais emocional”, não é mesmo?

Deus nos criou para que sejamos capazes de sentir e expressar muitas emoções diferentes de forma a refletir seu coração e lhe trazer glória. O problema não é o fato de termos emoções, pois elas são um dom de Deus. Porém, nossas emoções (ao contrário das de Deus) são contaminadas pela Queda.

O desafio é deixar o Espírito Santo nos santificar no domínio de nossas emoções para que elas possam ser expressas de forma santa. Precisamos estar cientes que uma das ferramentas mais eficazes do inimigo para manter nós mulheres em cativeiro é atacando as nossas emoções. Ele nos faz acreditar em coisas sobre as nossas emoções que simplesmente não são verdadeiras.

A verdade é que, devido a nossa condição decaída, em geral, nossos sentimentos têm muito pouco a ver com a realidade. Em diversas situações, os sentimentos simplesmente não são um indicador confiável do que é realmente verdadeiro. Quando permitimos que eles se conectem a nossas circunstâncias, que mudam constantemente, em vez de se conectarem às realidades imutáveis de Deus e de sua Verdade, nossas emoções tendem a oscilar descontroladamente.

Se quisermos andar em liberdade, temos de perceber que nossas emoções não são

necessariamente confiáveis e estar dispostas a rejeitar quaisquer sentimentos que não estejam de acordo com a Verdade da Palavra de Deus. Isto porque, não vamos desenvolver novas reações, se não desenvolvermos novos pensamentos. É por isso que é tão importante renovar a mente com novos pensamentos. Eles vem de uma nova perspectiva. A perspectiva da Verdade da Palavra de Deus.

A Bíblia incentiva esse processo, que só tem sentido porque Deus criou a mente humana e entende o seu funcionamento melhor do que ninguém.

É o que nos adverte a Palavra em Romanos 12:2:

“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

A Palavra de Deus também ensina que podemos aceitar ou rejeitar pensamentos.

Em vez de sermos reféns de velhos padrões, podemos render nossos pensamentos e deixar que o poder da Verdade de Cristo os transformem:

“Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda a altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o pensamento à obediência de Cristo.” (2Coríntios 10:4,5)

A Verdade é que Deus é bom, quer eu sinta que Ele é bom ou não. A Verdade é que Deus me ama, quer eu me sinta amada ou não. A Verdade é que, pela fé no sangue de Jesus derramado em meu favor, estou perdoada, quer me sinta perdoada ou não.

A Verdade é que Deus nunca vai me deixar nem me desamparar. Ele está comigo o tempo todo, mesmo quando me sinto sozinha e abandonada.

A Verdade da Palavra assegura tudo isso!

Participe agora mesmo do canal do autor no Telegram para participar dos sorteios semanais!

Não podemos controlar as coisas que nos acontecem a cada dia, mas podemos controlar a maneira como pensamos nelas. Podemos enfrentar questões que estão fora do nosso controle, e não agir de forma descontrolada. Não conseguimos sempre consertar as circunstâncias, mas sempre podemos fixar a nossa mente em Deus e refletir sobre nossas ações e reações a luz da Verdade da Palavra.

Olhando para dentro de nós mesmas, é necessário enxergarmos que tipos de descontroles de nossas emoções têm nos escravizado, dos quais precisamos ser libertas. Sim, eles existem, e precisamos admitir para que possamos expô-los a luz da Verdade e vivermos na liberdade para a qual fomos chamadas em Cristo.

Lembremos que há uma enorme diferença entre nos rotular e identificar as nossas tendências.

Quando identificamos as nossas tendências, é importante também pedirmos que Deus nos revele o porquê reagimos mal: quando estamos estressadas e irritadas, presas em conflitos, nos sentindo magoadas, causando mágoa a outros, à mercê dos nossos hormônios ou submersas em nossas emoções descontroladas. Estamos aprisionadas por alguma mentira na qual acreditamos? Há algo em nosso passado que precisa de cura ou libertação? Existe algum pecado a ser confessado ou um perdão que precisa ser liberado?

O ser humano ao ficar descontrolado reage de duas maneiras: explode ou guarda tudo para si mesmo. Basicamente, existem 4 categorias de reações descontroladas de nossas emoções: as explosivas que culpam a si mesmas; as explosivas que culpam os outros; as rancorosas que criam barreiras; e as rancorosas que colecionam pedras de retaliação. É plenamente possível que nos identifiquemos com mais de uma ou todas essas reações. Isto porque, dependendo da situação ou das pessoas envolvidas, nós mudamos as nossas reações.

Explosivas que culpam a si mesmas:

As explosivas nem sempre falam em voz alta ao transmitir a opinião delas, mas usam as palavras e o tom certo para garantir que a outra pessoa sinta a sua opinião. Porém, depois da explosão, elas sentem o arrependimento e a vergonha por não terem podido se controlar e vivem debaixo de uma autocondenação.

Explosivas que culpam os outros:

São aquelas que explodem e, para se justificar, costumam culpar as pessoas a sua volta ou as situações por suas reações descontroladas prejudicando seus relacionamentos e sua vida.

Rancorosas que criam barreiras:

São aquelas que, ao se sentirem magoadas, criam barreiras e se afastam daqueles que as magoaram.

Às vezes, acabando com relacionamentos, pois ocultam o que se passa em seu coração.

Rancorosas que colecionam pedras de retaliação:

São aquelas que, ao se sentirem magoadas, colecionam pedras de retaliação para serem atiradas em momento oportuno. Lembram da história de anotar no caderninho? Ou aquela expressão: “Me aguarde. Vai ter volta …”? Quando elas explodem, parecem puxar de uma cartola uma coleção de ressentimentos…

Acredito que a maior parte do tempo, todas nós temos nossas emoções sob controle. Porém, quando nos descontrolamos, a integridade da nossa alma fica comprometida. A integridade da alma é o centro daquilo que buscamos ao processarmos as reações descontroladas, isto é, a honestidade cristã. Ela coloca a paixão da pessoa explosiva e a tranquilidade da rancorosa sob a autoridade de Jesus, na qual a honestidade e a misericórdia se unem e se equilibram. Sendo assim, quando identificamos nossas emoções e reações descontroladas, então podemos levá-las e apresentá-las diante da autoridade de Jesus.

Quando nossas reações são explosivas, aceitamos a parte da honestidade, mas rejeitamos ser controladas pela parte cristã. Posso ser honesta sobre como me sinto, ou ainda exagerar ou mesmo interpretar mal a verdade. Posso me sentir justificada por expor meus sentimentos e orgulhosa por ser tão verdadeira, tudo sob a aparência de ser honesta o bastante para não guardar mágoa. Porém, esta honestidade não está baseada na Verdade da Palavra. É mais um desabafo emocional! E sem misericórdia… É por isso que precisamos da honestidade cristã, que é guiada pelo Espírito Santo, para mantermos a integridade da nossa alma.

Quando guardamos rancor, fingindo estar tudo bem, temos uma falsa versão da misericórdia, que não é guiada pela honestidade. Podemos até ter a aparência de pacificadoras, mas isso é falsidade, pois não tem base na Verdade. Assim, comprometemos a integridade da nossa alma e alimentamos a amargura que mina a nossa saúde com doenças físicas e emocionais, induzidas pela ansiedade.

Nossos melhores esforços como seres racionais e a força de vontade não conseguem domar o que colocamos pra fora (explosões) ou vivemos por dentro (rancores), porque só ter força de vontade não é suficiente para domar nossa língua e nossas emoções descontroladas e enfurecidas. Esta é a razão pela qual devemos colocar todas as nossas reações descontroladas sob a autoridade de Jesus e da Verdade de sua Palavra. Estamos buscando a integridade da alma, através de uma honestidade cristã. Essa integridade traz equilíbrio às nossas reações descontroladas, e nos leva a ser verdadeiramente pacificadoras.

Quer estejamos lidando com explosões ou rancores, tudo volta para as emoções descontroladas que sentimos em cada momento. Porém, devemos sempre lembrar de que os sentimentos são indicadores e não podem ser ditadores de nossas reações. A Verdade é que não precisamos nem podemos deixar os sentimentos governarem a nossa vida. Quando deixamos nossas emoções darem as ordens, estamos confiando apenas em nossa carne para lidar com as situações e sofreremos as consequências desta escolha.

Mas o que podem indicar sentimentos que querem nos levar a explosões ou rancores? Eles podem indicar áreas de nossa vida que precisam de cura, de restauração, de perdão, de arrependimento, de entrega, de libertação e principalmente da revelação da Palavra de Deus e da submissão a ela.

Os sentimentos são indicadores, e é bom acessar honestamente o que estamos sentindo e porque estamos sentindo. Precisamos manter um medidor em nosso coração para podermos processar, esclarecer e entender nossa vida e nossos relacionamentos de maneira mais profunda.

Mas Deus nos deu mais que as emoções para processar a vida. Ele também nos deu uma mente. Uma mente que precisa ser renovada e lavada pela Palavra de Deus e sua Verdade, para poder confrontar o nosso coração.

Independentemente de quais emoções sentimos, pela graça de Deus podemos escolher fixar nossa mente nele, confiar em sua soberania sobre tudo o que nos acontece e obedecer a sua Palavra. Paulo nos dá a receita para a saúde mental e a estabilidade emocional:

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos. Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor. Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus. Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco.” (Filipenses 4:4-9)

Quando agimos assim, experimentamos essa paz e a graça de ser fiel, embora as circunstâncias possam não mudar. Precisamos exercitar a nossa vontade na obediência a Deus, independentemente de quais sejam os nossos sentimentos. Somos muito mais do que a soma total de nossos sentimentos. Somos filhas de Deus feitas para caminhar na Verdade e com integridade de alma. Todas nós temos uma escolha: nos submetermos as nossas emoções ou nos submetermos a autoridade de Jesus e a Verdade da Palavra de Deus.

Na comunhão com Deus, aprendemos a aquietar nossa alma e ouvir a sua voz. PRECISAMOS DISSO!

Na vida da Igreja, aprendemos que não estamos sozinhas nessa luta; que podemos ser cuidadas, tratadas, curadas e ensinadas para amadurecermos e desfrutarmos de toda a liberdade que Cristo nos oferece. PRECISAMOS DISSO!

Na Palavra de Deus temos o acesso a Verdade, que pode confrontar toda a mentira e o engano.

PRECISAMOS DISSO!

E, através do Espírito Santo, temos o poder para vencer os nossos desafios.

PRECISAMOS DISSO!

Não como fruto de um empoderamento humano, mas como fruto do apoderamento da Verdade. É a Verdade vivendo em mim, no trono do meu coração. E a Verdade é uma pessoa: JESUS! (João 14:6)

BIBLIOGRAFIA:

Bíblia Sagrada – SBB (ARA)

Emoções sob Controle (Lysa TerKeurst)

Mentiras em que as Mulheres acreditam e a Verdade que as Liberta (Nancy Leigh DeMoss)

– Sermão ministrado por Lígia Rosana Borba no Congresso Apoderamento da Verdade, dia 28/02/2021.

Conheça os testes gratuitos para descobrir seu temperamento, medir sua ansiedade, etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *