Busque Relacionamentos, Saia da Solidão

O homem não fora criado para caminhar só. Tenho quase certeza de que todos os seres humanos que já vagaram pela Terra sentiram o desejo de se isolar completamente do mundo em algum momento da vida. Muitos, infelizmente, colocaram este plano em ação e viveram a maioria dos seus dias em uma “caverna social”. Perderam a chance de viver uma vida satisfatória e, consequentemente, feliz. Como em um mundo habitado por bilhões de outros seres humanos pode haver tal desejo em uma porcentagem da população? A resposta mais viável seria: fuga. O homem é um ser que sabe ferir os outros. Sim, os animais também sabem ferir outros, fisicamente. Mas os seres humanos vão além! Sabem ferir o que não pode ser tocado. Ferem almas. Há pessoas que, em certo momento da vida, encontram-se diante de seus limites, carregando consigo a impressão de que mais uma única ferida fará tudo desmoronar. Neste momento, o ferido cansado e oprimido não encontra outra solução senão o ato de isolar-se o máximo possível de novas relações humanas. Estas relações tornaram-se perigosas! Este desejo é compreensível. Não há melhor maneira de evitar as feridas do que a de simplesmente fugir dos causadores delas. Mas evitar o monstro não fará com que ele morra. A vida foi feita para ser vivida de modo correto e não de qualquer forma sob as bases da libertinagem e a busca desenfreada pelo prazer (hedonismo). Para viver uma vida de qualidade o ato de relacionar-se é essencial. Então não há nada a se fazer além de enfrentar o medo das relações frente a frente. Fugir das relações por medo das feridas é como deixar de comer por medo de passar mal alguma vez. Optar por isso é escolher deixar de viver e apenas existir. Os momentos maravilhosos que relações saudáveis podem nos proporcionar são únicas e nenhuma tecnologia no universo pode reproduzir tais prazeres. Enfrente seus medos de novas relações! Sejam elas amizades, paixões ou relações familiares. Os seus instintos clamam pela socialização. Não se esconda eternamente atrás de uma pedra enquanto as pessoas vivem a vida lá fora. Enfrente o monstro e prove de doses únicas de felicidade e alegria! Aceite os outros como são Você provavelmente já deve ter ouvido a frase “trabalhar com gente é horrível”, certo? Eu ouvi isto inúmeras vezes. Não espere que eu apresente argumentos para refutar esta popular afirmação, afinal, ela é verdadeira. Lidar com pessoas é uma tarefa extremamente árdua. Não sabemos o que esperar das pessoas. A qualquer momento alguém pode lhe ferir ou espalhar coisas terríveis a seu respeito pelas suas costas. Podem lhe dar uma resposta grosseira inesperadamente, mesmo que você não tenha feito nada para o outro. Seres humanos são assim. Carregamos maldade por natureza, mesmo que ninguém tenha nos ensinado. Não existe uma pessoa sequer na face desta Terra que seja perfeita e completamente boa. O que fazer diante deste fato? Odiar a todos? Ignorar tudo o que possui ligações com a raça humana? Não temos solução alternativa além da aceitação. Aceite as pessoas como elas são, afinal, o fato de você aceitá-las ou recusá-las não mudará a realidade do mundo, mas apenas a sua. Você já parou para pensar quantas informações valiosas cada pessoa carrega? Cada cérebro carrega consigo uma infinidade de informações e experiências que podem ser úteis. Ou seja, se aceitamos conviver com alguém mesmo que este seja quase insuportável, é inegável o fato de que iremos adquirir mais conhecimento sobre o mundo através desta pessoa. Pensando desta forma é possível entender que aceitar as pessoas como elas são é um ato muito vantajoso. Cada um, com suas peculiaridades, pode fazer de nós pessoas melhores. Mas e aquelas pessoas definitivamente insuportáveis? O que fazemos com elas? Simplesmente as aceitamos. Aceitar não é sinônimo de “colar”. Aceitar não é conversar o dia todo ou acompanhar em todos os eventos. Aceitar é o ato de não recusar, não se afastar, não ignorar. Aceitar as personalidades alheias é um dos primeiros passos a dar para sair do isolamento e nutrir relacionamentos saudáveis. A aceitação é também, sem dúvida, uma grande arma contra o medo de envolver-se socialmente. Não corra o risco de arrepender-se por não aceitar alguém quando este mesmo alguém partir para nunca mais voltar. Todos possuem um imenso valor. Não importa o quanto o mundo tente ofuscar esta verdade, a vida humana é e sempre será valiosíssima. “Queria ter aceitado As pessoas como elas são Cada um sabe a alegria E a dor que traz no coração” Música Epitáfio – Titans O mundo precisa de você Certa vez ouvi de um grande amigo as seguintes palavras, “Você precisa levar seu brilho para as pessoas, rapaz!”. Aquilo mexeu profundamente comigo. E não é que ele tem razão mesmo? Mesmo não sendo a pessoa mais agradável do mundo jamais poderei alegrar o dia das pessoas se eu não for até elas. É uma simples questão de lógica. Dentro do seu quarto, caro leitor, você não transformará a vida de ninguém. Será triste para você refletir sobre a vida e perceber que nenhuma pessoa foi transformada positivamente através da sua existência. É necessário que você leve seu conhecimento, seus talentos e suas ideias para fora do cubículo. Aprenda a dar passos fora da famigerada zona de conforto. Olhe para dentro de si. Você possui qualidades. Inúmeras qualidades. O mundo jamais irá conhecê-las caso você não saia do seu quarto e respire o ar livre lá fora. Há centenas de pessoas precisando de pessoas como você. Sim, você, sua imaginação, suas ideias e tudo o que você tem. Não prive o mundo de desfrutar de sua companhia. Você vive neste mundo, sendo assim, integre-se a ele. Não permita que o medo das relações e a negatividade alheia te aprisionem em uma jaula. Socialmente bem, saudável também Em muitas cadeias ao redor do mundo existe um tipo de cela destinada a torturar psicologicamente os detentos que infringem regras internas do presídio. Estamos falando da “solitária”. O presidiário é posto dentro desta cela e lá permanece total e constantemente isento de contato humano. Ou seja, não conversa com ninguém, não sente o calor humano, não compartilha gestos nem olhares, e etc. Ao saírem deste castigo psicológico, os presidiários encontram-se notavelmente mais agressivos e depressivos. Muitos afirmam ter experiências alucinógenas enquanto permanecem dentro da cela após certo tempo. A existência desta cela especial nos serve de prova em relação a necessidade do ser humano de se socializar. A saúde mental é tão importante quanto a saúde física (senão mais importante). Em outras palavras, de nada adianta malhar todos os dias dentro de sua casa visando ser mais saudável se não sair nos fins de semana com alguém próximo para colocar as conversas em dia. Se relacionar não é uma opção, mas sim uma obrigação. Pratique a socialização Andar de bicicleta exige prática. Dirigir um carro também. Tocar um instrumento? Mais ainda! Assim como estas atividades citadas, estar em sociedade também é uma atividade praticável e pode ser evoluída em cada um de nós. À medida que compartilhamos informações, mais informações saberemos compartilhar de forma efetiva. Caso você, leitor, possua alguém próximo que vive isolado de tudo e todos, tente observar atentamente os gestos e a forma de comunicar-se do mesmo quando este está (talvez obrigatoriamente) inserido no meio social. Será facilmente notável a forma embaraçosa e atrapalhada com que a pessoa se comportará. Não seja leviano quanto à arte de se relacionar. Esta exige treino e experiência. Quer ser o piadista da turma? Bacana! Mas como você contará piadas sem ter as ouvido antes através dos outros? A internet não basta Vivemos na era digital. Fato. Muitos endeusam a internet e aplaudem o poder que esta tem graças ao seu poder de conectar pessoas do mundo todo. Devemos muito a esta maravilhosa rede de computadores, pois, graças a esta incrível ferramenta da era moderna desfrutamos dos benefícios da globalização como ela é hoje. Mas nem tudo são flores. A internet promove a conexão entre pessoas do mundo inteiro, mata saudades, informa aos brasileiros, por exemplo, as novidades que estão ocorrendo no Japão em poucos segundos, e etc. Sendo assim, então por que nem tudo são flores? Você já se questionou sobre a qualidade destas conexões? É possível abraçar pela internet? Na frente do seu computador você consegue receber um ombro para chorar? Esta rede mundial de computadores mostra a verdadeira face de seus donos? Seus amigos do Facebook sabem como você está hoje? Será que apenas a internet basta? Não, não basta. Não resuma suas relações interpessoais a isto. Quer ter relações de qualidade? Então visite mais a casa daqueles que você ama ao invés de apenas abrir uma simples página numa rede social. Compartilhe ideias Você é o que você pensa. Seu corpo apenas porta sua alma, suas emoções e seus ideais. Como diria o lendário filósofo Descartes, “Cogito ergo sum”, ou seja, se penso, se questiono e se tenho ideias, logo existo. Então torne sua existência notada perante seus correlacionados. Compartilhar ideias é um exercício demasiadamente prazeroso e saudável. Ao partilhar suas opiniões, automaticamente você ouvirá opiniões e ideias alheias também. Nesta dialética o maior ganhador será o seu cérebro, pois acumulará uma série de informações novas e farão de você um maior conhecedor das ciências. Como será dito posteriormente neste livro, a comunicação é a sólida base da qualidade de um relacionamento. Portanto, comunique-se e não tenha medo de mostrar suas crenças e dúvidas. Comunicação melhorada A comunicação com coesão e clareza transforma qualquer pessoa em uma companhia agradável para uma conversa de longas horas. Para chegar a tal nível de comunicação é preciso muita prática e estudo (neste caso muita prática já estará proporcionando uma espécie de estudo). Você pode concluir o curso de comunicação em alguma faculdade por aí ou simplesmente pode praticar o ato de comunicar-se e analisar cautelosamente o jeito como se comunica visando melhorar esta habilidade. Quanto mais conversamos com as pessoas, mais temos um feedback (retorno) e somente assim sabemos o quão bem estamos nos comunicando. Não sinta medo e nem preguiça de conversar. À principio esta atividade pode lhe parecer uma enorme e inútil chatice, mas com o decorrer do tempo será visível o avanço nesta linda arte. O outro pode nos mostrar o que não enxergamos sozinhos Ter momentos a sós com nosso próprio eu é uma atividade essencial para nossa saúde psíquica e autoconhecimento. Porém, mesmo com as reflexões sobre o que somos e que função estamos exercendo neste universo, há certos detalhes em nosso modo de existir que não conseguimos notar sozinhos. É neste momento que vem à tona a necessidade vital de nos enxergar através dos outros. Fique atento ao que falam de você. Ouvir sobre o eu pela boca do outro é uma dádiva dada àqueles que se relacionam. É mister lembrar que não é necessário levar em consideração exatamente tudo o que dizem, pois assim estaríamos deixando de lado as variações radicais das mentes alheias. Tome para si tudo aquilo que pode ser edificante. As meras opiniões podem – e devem – ser deixadas de lado. É diante deste ponto que inúmeras pessoas sentem-se desmotivadas a viver em sociedade e buscar novos relacionamentos. Não se retraia por isso. Ouvir críticas negativas e positivas é algo absolutamente normal e faz parte da existência humana. São as críticas que tornam uma pessoa melhor. Fugir dos relacionamentos é não querer evolução. Buscar relações: este é o primeiro passo para relações de qualidade Estamos todos conectados de alguma forma (não estou afirmando isto com base em alguma crença religiosa, aliás, isto é um fato). Assim como é incomum alguém ler um livro chamado “A Arte de Dirigir” sem desejar pilotar veículo algum, também é impossível alguém estar rodeado por bons relacionamentos sem querer relacionar-se. Não ter medo de relacionamentos deveria ser algo impregnado em todo ser humano. Como a primeira frase após o título deste capítulo afirma, o homem não fora criado para caminhar só. Viver da solidão não faz parte da nossa programação instintiva. Assim como a fome, a sede ou o sono, relacionar-se é uma necessidade humana e ela precisa ser suprida. Quanto tempo faz que você não bate um papo por horas com um amigo ou parente? Quer ter relacionamentos de qualidade? Então esforce-se para ser o agente transformador das suas relações. Trechos do livro: A Arte de Saber Se Relacionar

Deixar uma resposta